17 de outubro de 2008

As velas ardem até ao fim...

Escrevi este post há tempos e tinha-o aqui nos rascunhos. Não sabia se o havia de publicar. Gosto de partilhar coisas alegres, mas a vida é vivida porque se vive um pouco de tudo. Aqui vai.
............................
Nas minhas deambulações pelos livros, ao espreitar na minha estante, este livro puxou a minha mão e eu agarrei-o. Apercebi-me ainda mais do seu valor. É um livro que nos diz algo de novo cada vez que o lemos. Num enquadramento histórico da situação da Europa no início do século XX, tem um discurso sobre amizade fabuloso, solitário e acutilante e que nos faz pensar, questionar, sentir uma empatia e ao mesmo tempo um desconforto porque nos relacionamos. Eu relacionei-me. Ao reler algumas partes senti e soube que é um livro ao qual não se fica indiferente! Melhor! Espreitei, olhei, vi, reli e sorri para dentro. Ao folheá-lo parei na página que tinha escrito em palavras o que me ia na alma e achei tão curioso. Dizem que os livros nos escolhem... Daqueles livros todos foi o que me escolheu naquele momento. Percebi porquê.


“As velas ardem até ao fim” de Sándor Márai da Dom Quixote.

... O segredo é isso!
Bom fds!

2 comentários:

medeia disse...

Olá Fipas!
Passei aqui para agradecer o comentário ao meu texto, muito obrigada! Não está nada demais, é apenas o que me vai na alma nestas alturas! De facto, também costumava escrever em folhas soltas, que ninguém lia. Depois comecei a aperceber-me de que muitos eram os que se sentiam como eu e penso que, a leve sensação de não estarmos sós, é bastante reconfortante... e gosto de partilhar com todos os que gostam de me ler.
Também achei o teu blog interessante e vou aceitar a sugestão de leitura deste post, depois de acabar o meu "livro de cabeceira":) "O ano da morte de Ricardo Reis"... Continua a visitar-me, também passarei por aqui a ler-te! Ah, publica os teus textos escondidos, tenho a certeza de que serão muito bons.

andreia disse...

Um bjs e bom domingo..